Dicas

O que é glúten e por que faz tão mal à sua saúde?

Muito tem se falado sobre o glúten, massacrado por alguns e defendido por outros.

Há algum tempo, se tornaram populares as dietas que excluem o glúten para fins de emagrecimento. Mas, afinal, quem precisa deixar de consumi-lo? Ele é um vilão? Todos devemos eliminá-lo da alimentação?

Entenda de uma vez por todas o que é o glúten e como ele age em nosso seu organismo.

O que é glúten?

O glúten está presente naturalmente em cereais como o trigo, a aveia, o centeio, a cevada e o malte.

Ao contrário do que muitos imaginam, o glúten não é um carboidrato, mas sim uma proteína. Ou melhor, a combinação de dois grupos de proteínas: a gliadina e a glutenina, encontradas em conjunto com o amido nos alimentos.

Quando adicionamos água à alguma farinha, como a de trigo, e misturamos a massa, essas duas proteínas se encontram e formam o glúten, que é o responsável por deixar a massa elástica para trabalhar e resistente para ser esticada sem arrebentar, como acontece na produção de pão e macarrão.

Ele também ajuda no crescimento das massas. Ao sovar uma massa de pão, o glúten é ativado e não permite escapar o gás carbônico gerado durante a fermentação, o que faz a massa desenvolver.

É o próprio glúten também que confere a textura macia do bolo, da massa de pizza e do macarrão, tornando-os alimentos fáceis de mastigar.

Doença celíaca, sensibilidade não-celíaca e alergia

Esses três tipos de incompatibilidade alimentar são frequentemente confundidos.

A doença celíaca é uma condição que causa a inflamação da mucosa intestinal. Além disso, é uma doença autoimune e extra-intestinal, ou seja, causa danos em diversos outros sistemas do organismo, provocando desde problemas capilares a casos de infertilidade.

Trata-se de uma doença genética e agravada por situações de stress, cujo único tratamento é retirar completamente o glúten da dieta, uma vez que não há remédio ou enzima que bloqueie a ação do mesmo no organismo do celíaco.

A sensibilidade ao glúten não-celíaca também causa a inflamação do intestino, mas, diferente da doença celíaca, não é extra-intestinal. Provoca desconforto abdominal, gases, cólicas, náuseas e tontura.

A inflamação do intestino interfere na absorção dos nutrientes, o que pode causar anemia, osteoporose, entre outras doenças por carência nutricional.

A alergia ao glúten dispara uma resposta imunológica quando a proteína chega ao trato intestinal. Causa alterações intestinais importantes, provocando gases, cólicas e diarreia de repetição, o que atrasa, inclusive, o desenvolvimento de crianças portadoras da alergia, por causa da interferência na absorção de nutrientes.

Traz sintomas clássicos de alergias, como coceiras e edema de glote, podendo levar a lesões na pele e até asfixia.

Devo deixar de consumir glúten?

Muitas pessoas têm eliminado o glúten da alimentação. A dieta, que antes fazia parte somente da realidade dos celíacos, de repente, ganhou adeptos não-celíacos que querem perder peso.

A verdade é que deixar de consumir glúten não emagrece, de fato. Na realidade, as pessoas que aderem a uma dieta sem glúten tendem a fazer melhores escolhas na sua rotina e deixam de ingerir uma grande quantidade de carboidratos e, por isso, emagrecem.

Trata-se de uma consequência. A exclusão e a seleção de alimentos levam à melhora da qualidade alimentar, o que promove bem-estar, não tendo influência direta do não consumo de glúten neste processo.

É sempre bom lembrar que mudanças radicais na dieta prejudicam um organismo saudável e fragilizam as paredes do intestino, o que induz a doenças.

Deixar de consumir glúten sem necessidade desequilibra a flora intestinal e afeta a absorção dos nutrientes. Esta proteína é absorvida normalmente pelo trato intestinal de quem não tem nenhuma sensibilidade à ela, sem causar inflamações ou desconforto.

Quem deve, efetivamente, tirar o glúten da rotina alimentar são os alérgicos, os sensíveis não-celíacos e, principalmente, os celíacos.

Produtos industrializados, em grande parte, contém glúten, como pães, biscoitos, macarrão, achocolatados, margarina, embutidos, cerveja e whisky.

Alguns tipos de maquiagem e medicamentos em comprimido também apresentam glúten em sua formulação. Portanto, se você possui algum tipo de sensibilidade que te impede de consumir a proteína, esteja sempre atento aos rótulos para saber o que não irá te fazer mal.

E você sabia que pão de queijo não tem glúten? Vá de pão de queijo Delimassa Alimentos!

Gostou deste conteúdo? Esperamos ter esclarecido suas principais dúvidas quanto ao consumo de glúten e condições relacionadas à esta proteína.

Até a próxima!

ATENÇÃO: As informações contidas neste post não substituem a consulta médica e nutricional. Na incidência de quaisquer sintomas aqui descritos, o médico deverá ser consultado. Não faça alterações bruscas na sua alimentação sem acompanhamento profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *